Clínica de Recuperação

Telefones:

(11) 3542-3742 | (11) 97189-2622 | (11) 97400-4887

clinica-recuperacao-sp-tratamento-drogas-reabilitacao-dependencia-quimica-centro-terapeutico-desintoxicacao-drogado-alcoolatra-involuntario-voluntario-comunidade-internacao-dependente-quimico-vicio-viciado-alcoolismo-bebida-maconha-cocaina-crack-feminina

Como ajudar um dependente químico na família que não quer ajuda

Como ajudar um dependente químico na família que não quer ajuda

Como ajudar um dependente químico na família que não quer ajuda é um pouco complexo. Uma das principais características do dependente químico é a dificuldade de assumir seu vício e entender que este problema é uma doença que precisa ser tratada. Em alguns casos, a pessoa até tem consciência de que seus hábitos e comportamentos são prejudiciais, mas este indivíduo geralmente acredita que é plenamente capaz de simplesmente parar com o vício quando quiser.

Dicas para ajudar um dependente químico

O primeiro passo para ajudar um dependente químico na família é oferecer apoio e ajuda emocional, fazendo com que ele se conscientize sobre seu vício. Além disso, vale a pena se atentar às dicas a seguir:

Utilize palavras de incentivo

Por mais difícil que seja, é importante controlar o desapontamento e o nervosismo ao lidar com um familiar que é usuário de drogas. Sempre prefira palavras e atitudes de incentivo em vez de brigas. Controle seu comportamento e eduque a si mesmo para que a convivência não seja ainda mais desgastante.

Estabeleça limites

Um dependente químico perde parâmetros de convívio, e a rotina familiar pode acabar se tornando muito complicada. Saber o momento de se afastar ao perceber que a pessoa está sob os efeitos das drogas é uma boa escolha para manter seu próprio equilíbrio e mostrar para o familiar que seus atos sempre terão consequências.

Converse

Invista em abordagens que deixem claro que, caso o dependente queira se tratar, sempre haverá ajuda disponível.

Procure ajuda profissional

Procurar ajuda especializada e grupos de apoio é fundamental para buscar conselhos e encontrar maneiras inteligentes de lidar com o problema.

Demonstre confiança

Sentir confiança na família é muito importante para lutar contra o vício. Não julgar os comportamentos do dependente químico trará uma motivação maior para enfrentar o problema.

O que não fazer com um familiar dependente químico

  • Não encubra seus erros;
  • Não impeça que ele pague pelas consequências dos seus atos;
  • Não faça coisas que ele pode fazer por si próprio;
  • Não ajude financeiramente.

Como a Inteligência Emocional pode ajudar no tratamento de vícios

Pessoas que não trabalham suas emoções e não desenvolvem a Inteligência Emocional são levadas por impulsos e não conseguem perceber como aspectos como raiva, solidão, ansiedade e carência criam formas inconscientes de extravasar — e as drogas cumprem o papel de suprir necessidades emocionais.

Entender e aprender a lidar com as próprias emoções é fundamental para enfrentar o problema com a dependência química.

clinica-recuperacao-sp-tratamento-drogas-reabilitacao-dependencia-quimica-centro-terapeutico-desintoxicacao-drogado-alcoolatra-involuntario-voluntario-comunidade-internacao-dependente-quimico-vicio-viciado-alcoolismo-bebida-maconha-cocaina-crack-feminina

Programa Coach para Dependência Química

tratamento coach

Coaching é um processo, uma metodologia, um conjunto de competências e habilidades que podem ser aprendidas e desenvolvidas por absolutamente qualquer pessoa pra alcançar um objetivo na vida pessoal ou profissional, até 20 vezes mais rápido, comprovadamente.

E nós da Liberdade vida Prime estamos iniciando um projeto de Coach para Dependência Química. Veja as vantagens :

Preparar pessoas para reinserção familiar, profissional e social, resgatando seus seus talentos e valores, capacitando com direcionamento nas respectivas áreas da vida

Pessoal

  1. Saúde e disposição
  2. Desenvolvimento intelectual
  3. Equilíbrio Emocional

Relacionamento

  1. Familiar
  2. Desenvolvimento amoroso
  3. Vida Social

Profissional

  1. Realizações e propósitos
  2. Decurso financeiros
  3. Contribuição Social

Qualidade de Vida

  1. Criatividade, Hobbies e diversão
  2. Plenitude e felicidade
  3. Espiritualidade

Coach-para-dependentes-quimicos

Como funciona o processo de Coach?

O Processo de Coaching no seguimento da dependência química trata-se de um acompanhamento diferenciado, onde o paciente (cliente) passa a ver que é respeitado em todos os seus valores pessoais e crenças, como cidadão comum a ser reinserido na sociedade quebrando seus próprios paradigmas, percebendo seu potencial e capacidade, de assumir comprometimento consigo mesmo para alcançar suas metas e seus ideais, com crescimento progressivo nos âmbitos das áreas: pessoais, profissionais, relacionamento, e qualidade de vida.

Firmamos que quando se tratar do assunto adicto em recuperação, entendemos que esta situação esta sob controle por já ter passado pela estrutura de uma internação, onde esteve contando com apoio dos profissionais altamente capacitados como: médicos, psicoterapêuticos, multifuncionais, disciplinares, e/ou até mesmo por estar passando por um processo de pós-tratamento.

Portando o Coach (profissional), passa a respeitar o adicto como Coachee (Cliente), não se apegando ao passado, focando sempre do Estado atual de vida para o Estado Desejado. Possibilitando a transformação daquilo que é visto como “problema” em “Metas a Serem Conquistadas”. A partir desse princípio o Coach (profissional) interage com

metodologia e ferramentas cientificamente comprovadas, fazendo com que o cliente comece a criar opções dentro do contexto da área em questão abordada, consequentemente gerando ações e firmando um planejamento estratégico a ser cumprido semanalmente e com comprometimento e fidelidade para consigo mesmo.

Uma das principais características do Processo Coaching é, potencializar o Coachee (Cliente) a pensar, se aprofundar em questões inicialmente perturbadoras e retornar com soluções em um plano de ação estratégico para resolvê-las, clarificando que o mesmo consegue perceber que consegue cumprir ações por ele determinadas, atingindo ao longo das sessões a sua meta e o seu sucesso , a qual foi estabelecido por si próprio, porem com apoio e direcionamento com o Coach(Profissional), e a família (como assistência).

Vale salientar que é inexplicável a satisfação pessoal do cliente.

clinica-recuperacao-sp-tratamento-drogas-reabilitacao-dependencia-quimica-centro-terapeutico-desintoxicacao-drogado-alcoolatra-involuntario-voluntario-comunidade-internacao-dependente-quimico-vicio-viciado-alcoolismo-bebida-maconha-cocaina-crack-feminina

Prisão Química e seus tratamentos

Prisão Química – Intervenção Involuntária

Neste domingo a rede globo de televisão publicou uma matéria da serie Prisão Química, onde relata a história de vida e superação de Walter Casa Grande, em sua luta contra a cocaína.

No Brasil diariamente milhares de pessoas estão sofrendo contra o vício do álcool, cocaína, craque, metanfetamina, maconha e outras substancias químicas.

A intervenção Involuntária

A importância de intervir na internação involuntária se dá quando o paciente não consegue reconhecer sua condição de vicio, e a família precisa tomar a difícil decisão pela internação para o bem do viciado. É importante encontrar uma Clínica de Recuperação Involuntária que atenda todos os requisitos.

O tratamento a Rotina e Disciplina

Para o sucesso do tratamento é fundamental estabelecer rotina e disciplina, também é importante que o paciente tenha tarefas e trabalhe no dia a dia em sua internação, somente desta forma e a demais medidas de desintoxicação o paciente poderá voltar a ressocialização e a sua vida normal.

 

 

 

 

A Dependência é uma questão de escolha?

Pensamento da velha escola

A maioria das pessoas que foram a um centro de tratamento estão familiarizadas com o modelo de dependência da doença. Muitas intervenções são baseadas na evidência de que é uma doença. A crença de que o vício é uma doença é baseada em descobertas que começam cedo e avançam gradualmente.

Uma pessoa é vulnerável a se tornar viciada se começar a usar durante a adolescência, enquanto o cérebro ainda está sendo desenvolvido. Uma vez que se tornaram viciados, a crença é que a química cerebral foi alterada, assim como o próprio cérebro, tornando extremamente difícil parar de usar, mesmo diante de sérias conseqüências.

Escolher ou não escolher

Se você pensar em quando estava sóbrio, perceberia que não fez a escolha consciente de lutar contra o vício – não é sobre isso que trata a teoria da escolha. Ninguém define uma meta para ser um viciado. O modelo de escolha não considera o vício de um ponto de vista biológico, mas de seus processos de pensamento. Seus pensamentos afetam suas ações. Fatores ambientais, como o comportamento aprendido, podem impactar aqueles que lutam contra o vício. Se você está em uma casa onde você viu aqueles que usam álcool ou drogas como maneira de lidar, então isso pode aumentar suas chances de usar. O modelo de escolha também considera fatores ambientais, como a pobreza, que podem aumentar substancialmente a vulnerabilidade de uma pessoa ao uso de drogas.

Isso importa?

Que diferença faz? Pode fazer um pouco de diferença. O que você acredita pode afetar como você vê a si mesmo e sua sobriedade. Por exemplo, se você acha que o abuso de substâncias é uma doença, isso pode diminuir seu sentimento de culpa, ou se você acha que é uma escolha, isso pode aprofundar sua culpa. Em uma escala maior, pode impactar e mudar as intervenções, bem como as políticas de drogas.

Há quem acredite que os adictos que a aceitaram como uma doença estão se apegando a uma desculpa. Com alguns, pode incentivar o desamparo e seu senso de responsabilidade. Se a crença é que é uma doença cerebral ou uma escolha, o adicto deve tomar medidas para controlar e parar o vício.

Se a dependência é uma doença, ela pode ser comparada a outras doenças, como diabetes, doenças cardíacas ou câncer. Em outras palavras, você não necessariamente escolhe se vai se tornar quimicamente dependente. Pode ter mais a ver com sua genética do que outros fatores. O adicto está isento de ser rotulado como fraco, deficiente ou sem compasso moral, porque é considerado doente. É menos sobre vontade própria e determinação.

Médico cura-te a ti mesmo?

Compreender o vício do ponto de vista da doença pode tirar o fardo de você, entendendo que ele muda o funcionamento do seu cérebro, e é por isso que o poder e apenas parar o peru frio quase nunca funciona. Uma razão pela qual alguns não acreditam nessa teoria é que eles acham que o uso de drogas não pode ser comparado ao câncer, diabetes ou doenças cardíacas, já que uma pessoa não pode prever com frequência se você terá essas doenças.

Uma doença tratável

Embora doenças como câncer, diabetes e doenças cardíacas muitas vezes não possam ser previstas, existe uma predisposição para desenvolvê-las. Existem fatores de risco. Especialistas afirmam que, se você tem membros da família que dependem quimicamente, então é mais provável que você sofra de dependência. Há coisas que você pode fazer para diminuir essas chances, como não beber ou usar drogas. Alguns especialistas pensam que se for uma doença, então você pode ser tratado por ela, assim como qualquer outra doença.

Se o vício é uma escolha, você não está confiando em mudanças químicas que ocorrem no cérebro. Boas ou saudáveis ​​escolhas resultam em circunstâncias favoráveis ​​em que boas decisões são tomadas. Escolhas ruins equivalem a conseqüências negativas. A cura depende de fazer melhores escolhas e mudar fatores ambientais.

As escolhas podem se originar da pressão dos colegas e do desejo de lidar com emoções negativas e estresse. Muitos outros fatores de risco, como disfunção em famílias e outros estressores, como divórcio e outros problemas familiares.

O que acreditar

Apesar das evidências, sua própria experiência pessoal e visão de mundo podem moldar o que você vai acreditar sobre o vício ser uma doença ou uma escolha. Sua visão pode capacitá-lo, dando-lhe as chaves para entender como funciona o vício. O conhecimento neste caso é poder. Pesquisas indicam que o tratamento e as mudanças na política provavelmente resultam do fato de o vício ser uma doença ou não. Embora os especialistas tenham sua opinião, lembre-se de que sua visão é a que mais pode afetar você.